ASSESP (página inicial)
facebook ASSESP twitter ASSESP youtube ASSESP

Associação dos Servidores Civis da Segurança Pública de Santa Catarina

ASSESP :: NOTÍCIA

Entidades da segurança lutam por previdência e reajuste

Duas pautas importantes, que interessam a todos os policiais civis e demais servidores da segurança em Santa Catarina, começam a ganhar destaque nesse início de 2020. A primeira é a reforma da previdência dos servidores públicos, que visa adaptar a legislação do estado às recentes mudanças realizadas pelo Congresso Nacional, que resultaram na Emenda Constitucional 103/2019. A segunda é o início das negociações visando a recomposição salarial dos policiais civis.

O pacote do governo que pretende modificar o sistema de aposentadorias dos servidores é formado por uma Proposta de Emenda á Constituição Estadual e um Projeto de Lei Complementar.

A PEC 13/2019, cuja admissibilidade foi aprovada pelo Plenário da ALESC no último dia 11/2, tem como principal objetivo o aumento na idade mínima para aposentadoria voluntária dos servidores, que passaria a ser de 62 anos para mulheres e 65 anos para os homens, a mesma idade da reforma aprovada pelo Congresso Nacional. Já o PLC 093/2019 altera a Lei Complementar 412/2008, mas mantém a alíquota de contribuição atual em 14%, conforme estabelecida em 2018.

A proposta do governo ainda será debatida na Comissão de Finanças e Tributação e, em seguida, na Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público. Caso os deputados adicionem emendas, a proposta retorna à CCJ. Depois de passar em todas as comissões, a proposta volta ao plenário da ALESC, onde será votada em dois turnos. A aprovação definitiva da PEC depende do voto favorável de 24 dos 40 deputados estaduais (3/5).

A luta das entidades representativas da Polícia Civil é para que seja mantida a isonomia com a Polícia Militar, que conseguiu garantir em Lei Federal os direitos conquistados pela categoria ao longo dos anos. Outra batalha, durante a tramitação da matéria, é garantir a totalidade dos vencimentos da ativa na passagem para a inatividade, assim como a paridade e integralidade das pensões.

Recomposição salarial, promoções e diárias

Outro ponto que vem sendo objeto de negociações com o governo desde o final de janeiro é a recomposição salarial das perdas dos policiais civis. Em duas reuniões com as entidades da segurança, o Executivo prometeu apenas incorporar a IRESA, mas em termos de reajuste dos salários, congelados desde 2016,a proposta ainda está longe de atender as necessidades da categoria.

A proposta inicial da equipe do governador é recompor as perdas referentes ao período de Jan/2016 a Jan/2019, que totalizam 12,52%. Só que de forma parcelada até 2022, deixando de fora, portanto, todo o ano de 2019 e sem qualquer previsão de recomposição em 2020. Desde que foi implantado o subsídio, os policiais civis nunca mais tiveram reajuste, e com o parcelamento esse seria o único índice num período de 6 anos, advertiram as entidades.

O governo diz que não tem margem financeira para ir além desse índice, mas garante que os percentuais e as datas de parcelamento serão iguais para todos os segmentos da segurança pública.

O projeto que prevê alterações na Lei 453/2009, para acelerar os processos promocionais, e aumento do valor das diárias também estão na pauta de negociações com o governo.

A ASSESP está acompanhando cada passo desses dois processos negociais, em torno da questão previdenciária e da recomposição salarial.

Últimas Notícias

Com prorrogação do isolamento, ASSESP permanece fechada

Com prorrogação do isolamento, ASSESP permanece fechada

ASSESP adota medidas de isolamento social

ASSESP adota medidas de isolamento social

Salão antigo da Sede Social começa a ser reformado

Salão antigo da Sede Social começa a ser reformado